segunda-feira, 7 de junho de 2010

Quinta da Regaleira - Sintra


A Quinta da Regaleira é um local muito especial, lindo e envolvente. O ano passado fui com a minha família visitar e adoramos. É simplesmente, um espaço de sonho e fantasia com lagos, criptas, natureza, palácio, misticismo, religião, maçonaria, arte, enfim uma visita a não perder.


Situada em pleno Centro Histórico de Sintra, classificado Património Mundial pela UNESCO, a Quinta da Regaleira é um lugar fascinante. 




As suas origens remontam ao início do século XVII. A documentação histórica relativa à Quinta da Regaleira é escassa para os tempos anteriores à sua compra por Carvalho Monteiro.



Sabe-se todavia que, em 1697, José Leite adquiriu uma vasta propriedade no termo da vila de Sintra que corresponderia, aproximadamente, ao terreno que hoje integra a dita Quinta - a esta data parecem remontar, pois, as origens da quinta em questão.


Foto: net

Francisco Alberto Guimarães de Castro comprou a propriedade - conhecida como Quinta da Torre ou do Castro - em 1715, em hasta pública e, após as licenças necessárias, canalizou a água da serra a fim de alimentar uma fonte ai existente.




Em 1800, a quinta é cedida a João António Lopes Fernandes estando logo, em 1830, na posse de Manuel Bernardo, data em que tomou a designação que actualmente possui. Em 1840, a Quinta da Regaleira foi adquirida pela filha de uma grande negociante do Porto, Allen, que mais tarde foi agraciada com o título de Baronesa da Regaleira. Data provavelmente deste período a construção de uma casa de campo que é visível em algumas representações iconográficas de finais do século XIX.




A história da quinta da Regaleira actual principia, todavia, em 1892, ano em que os barões da Regaleira vendem a propriedade ao Dr. António Augusto Carvalho Monteiro (o Monteiro dos Milhões). Carvalho Monteiro, com a ajuda do arquitecto-cenógrafo italiano Luigi Manini, faz dela, no princípio do século XX, um reflexo do seu sentido de patriotismo, edificando um palacete em estilo neo-manuelino.




A imaginação destas duas personalidades invulgares concebeu, por um lado, o somatório revivalista das mais variadas correntes artísticas - com particular destaque para o gótico, o manuelino e a renascença - e, por outro, a glorificação da história nacional influenciada pelas tradições míticas e esotéricas. Envolvido por uma vegetação luxuriante, o palácio da regaleira é uma descoberta fascinante. 




É um dos mais marcantes exemplos de arquitectura revivalista no país, privilegiando o neomanuelino e com influências camonianas. É célebre por em muitos dos seus elementos arquitectónicos, ter sinais de ritos e concepções maçónicas.


Foto: Olhares

Logo no começo da visita percorremos o Patamar dos Deuses, terraço onde estátuas de vários seres divinos estão alinhadas ao longo do caminho. Aqui encontramos doze figuras da mitologia greco-romana que devem ser interpretadas como as doze Hierarquias Criadoras, representadas nos signos do Zodíaco assim como a estátua de um leão (que data já da época em que a Quinta era pertença da Baronesa da Regaleira), que é uma representação do sol que equivale na Alquimia ao Ouro.





Próxima paragem obrigatória a Capela da Santissima Trindade, nela estão representados Santa Teresa d'Ávila e Santo António. No meio, a encimar a entrada está representado o Mistério da Anunciação - o anjo Gabriel desce à terra para dizer a Maria que ela vai ter um filho do Senhor - e Deus Pai entronizado. Na Capela econtra-se a imagem do Delta-radiante (ou Delta-Teúrgico), com o olho de Deus sobreposto à cruz templária, emblema maçónico do Grande Olho Arquitecto do Universo.





Um pouco mais à frente encontramos a Gruta de Leda. Esta tem no seu interior uma escultura simbolicamente enigmática, a figura de uma dama segurando uma pomba e acompanhada de um cisne (que parece estar a mordê-la). Trata-se da representação de uma mortal por quem Zeus se apaixona, e na impossibilidade de existir uma relação entre ambos, este assume a forma de um belo cisne para assim se aproximar da sedutora mulher.




Um dos locais mais emblemátiocs da quinta é sem sombra de dúvida o Poço Iniciático, invocando a aventura dos Cavaleiros Templários, ou os ideais dos mestres da Maçonaria. Trata-se de uma galeria subterrânea em espiral, de 27 metros, por onde se descem nove patamares até às profundezas da terra. Este é o caminho por onde se desce à terra, ou num percurso contrário, se sobe ao céu, consoante a natureza do percurso iniciático escolhido. Os nove patamares lembram os nove círculos do Inferno, as nove secções do Purgatório e os nove céus do Paraíso, segundo a Divina Comédia de Dante. A principal ideia por detrás deste poço é a de morrer e voltar a nascer num rito de iniciação ligado à terra, uma vez que esta é o útero materno de onde provem a vida, mas também a sepultura para onde voltará.



No fundo poço iniciático, com os pés assentes numa estrela de oito pontas, o símbolo heráldico de Carvalho Monteiro e símbolo da harmonia e também da Cavalaria Espiritual na Maçonaria escocesa, é como se estivéssemos imersos no ventre da Terra-Mãe. 





Somos depois conduzidos através das trevas das grutas labirínticas,

Foto: Wikipedia

até ganharmos a luz, reflectida em lagos surpreendentes, no meio dos jardins.  A vida surge bela e plena de vitalidade.


Depois de sair do labirinto encontra-se a Torre que se assemelha a um observatório astronómico, o que não deixa de ser interessante por se contrapor ao mundo subterrâneo (visto que uma das saídas do Poço Iniciático nos leva à torre). Foi, não esta mas uma semelhante que deu inicialmente o nome à Quinta.




É extremamente revigorante fazer um passeio pelos seus encantadores e exóticos jardins.
Cada recanto do jardim foi projectado com extrema minúcia, embora muitas vezes não o pareça.




O visitante começa por ver canteiros de flores variadas, plantados de forma regular e sistemática, mas, à medida que avança no jardim, ele vai tomando formas diferentes; a vegetação vai ficando mais densa, adquire uma forma selvagem e confunde-se com a Natureza no seu estado original, o que demonstra a sua inspiração romântica.





E finalmente uma visita ao Palácio dos Milhões, verdadeira mansão filosofal de inspiração alquímica. É o edifício principal da quinta e é marcado pela presença de uma torre octogonal, um cruzamento de arquitectura manuelina, renascentista, gótica e romântica, sendo de uma beleza extraordinária, e de um simbolismo incrível.






Fica aqui uma visita virtual por este famoso espaço esotérico de Portugal, comentada pelo ex-Grão Mestre da Maçonaria Regular, José Manuel Anes.




A Quinta da Regaleira é um lugar de mistério, com alma própria, ela encerra muitos segredos, pois está repleta de símbolos mitológicos e esotéricos, estátuas de deuses, poços iniciáticos, jardins, grutas e todo um mundo aberto a múltiplas descobertas e interpretações. É uma viagem no tempo incrível.

Vá visitar, Vale a pena!

Fontes e Fotos: "www.visitportugal.com"; "www.cm-sintra.pt"; "www.maconaria.net"; "www.regaleira.pt"; "wikipedia"; Olhares; outros e visita local.



“O tempo é uma ilusão produzida pelos nossos estados de consciência à medida em que caminhamos através da duração eterna.” (Isaac Newton)

10 comentários:

  1. Acabo de receber um selo que tem tudo a ver com os teus dois blogs, amiga!
    Retire-o no meu blog MY GIFTS!
    Bjkas, minha amada!

    ResponderEliminar
  2. Gostaria muito de conhecer Sintra, cara amiga Maria...
    Tenha um lindo dia na presença do Senhor...
    Boa tarde!

    ResponderEliminar
  3. Olá Maria!
    Obrigada pela tua visita ao meu blogue osdiasdaflor.Espero que tenhas tido oportunidade de visitar os outros.
    Esta entrada esta muito linda, fizeste um optimo trabalho. Felicito-te.

    Um beijo
    Flor

    ResponderEliminar
  4. Ainda não conheço esta Quinta, apesar de já ter visitado outros pontos importantes de Sintra. Para a próxima!

    ResponderEliminar
  5. Amiga Maria,

    Permita-me que a trate assim, na Blogosfera somos todos amigos, assim penso eu.
    Encontrei-a na casa de uma das amigas comuns e decidi vir visitá-la.
    Em boa hora o fiz!!! E se caí aqui directamente, nas suas belas viagens foi por duas razões:
    1º. Adoro viajar, o meu último post fala exactamente disso.
    2º. A paixão pela fotografia.

    Sobre esta última, gostaria de lhe pedir autorização, se não vir inconveniente, em que eu as copie para publicação no Blog Só Imagens, dando-lhe todos os créditos, logicamente.
    Vou-lhe deixar aqui o link para ir ver o Só Imagens, que do João Soares e meu.
    http://thirthyfour.blogspot.com/

    Volto para saber a sua resposta, entretanto se quiser conhecer a minha casa, eu ficaria muito honrada.

    Beijinho

    Na Casa do Rau

    ResponderEliminar
  6. Amiga Fernanda, fico sempre feliz por ver chegar mais uma amiga, ao meu humilde cantinho.
    Relativamente ao seu pedido, pode retirar do meu blog tudo o que pretender, mas o crédito das fotografias não é meu, algumas são minhas, mas a grande maioria são fotografias que circulam na net.
    bjs do tamanho do infinito
    Maria

    ResponderEliminar
  7. Obrigada amiga Maria!

    Já li o seu comentário no Só Imagens.

    Sabe com certeza a canção do Sérgio Godinho que diz "....é que hoje fiz uma amigo/a e coisa mais preciosa no Mumdo não há ...."

    Esperemos que a nossa seja para durar.
    Espero que visite também a minha Casa mesmo.
    Chama-se Casa do Rau, porque moro na Rua do Rau.
    Esse é o meu mais recente Blog, está quade a fazer um ano de vida, e onde eu estou sempre.
    Beijinhos

    Na Casa do Rau

    ResponderEliminar
  8. I LOVE QUINTA DA REGALEIRA CITY!

    ResponderEliminar
  9. Eu Estive lá e ADOREI!!! Sem dúvida que vale a pena!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.