sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Taj Mahal



Situado em Agra na Índia, fica um dos mausoléus mais conhecidos do mundo e classificado pela UNESCO em 1993 como Património da Humanidade, o Taj Mahal.


Foto: wikipedia_Poco+a+poco


A construção deste sumptuoso monumento de mármore branco, realizou-se entre 1630 e 1652, tendo sido utilizada a mão de obra de cerca de 20 mil homens, trazidos de várias cidades do Oriente. Foi mandado construir pelo imperador Shah Jahan em memória da sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam, a quem chamava de Mumtaz Mahal ("A jóia do palácio"), que tinha morrido após dar à luz o 14º filho . O Taj Mahal foi construído sobre o seu túmulo, junto ao rio Yamuna. 


Foto: TrekEarth_Ajay+kumar


Este magnifico monumento é também conhecido como a maior prova de amor do mundo, contendo inscrições retiradas do Corão. É incrustado com pedras semipreciosas, tais como o lápis-lazúli entre outras. A sua cúpula é costurada com fios de ouro. O edifício é flanqueado por duas mesquitas e cercado por quatro minaretes.


Foto: wikipedia_Dhirad


Todos os pormenores do edifício mostram a sua natureza romântica e o conjunto promove uma estética esplêndida. 


Foto: skyscrapeCity_autor_Hindustani

Foto: skyscrapeCity_autor_Hindustani


Em finais do século XIX vários sectores do Taj Mahal estavam muito deteriorados por falta de manutenção e durante a época da rebelião hindu, em 1857, foi arrestado por soldados britânicos e oficiais do governo, que lhes arrancavam as pedras embutidas nas paredes e o lápis-lazúli dos seus muros. Em 1908 completou-se a restauração ordenada pelo vice-rei britânico, Lord Curzon, que também incluiu o grande candelabro da câmara interior segundo o modelo de um similar que se encontrava numa mesquita no Cairo. Curzon ordenou a remodelação dos jardins ao estilo inglês que ainda hoje se conservam. O Taj Mahal incorpora e amplia as tradições idílicas do Islão, da Pérsia, da Índia e da arquitectura mogol antiga. O desenho geral do projecto inspirou-se numa série de edifícios mogóis, entre os quais a tumba de Itmad-Ud-Daulah e a Jama Masjid, em Deli. 


Foto: wikipedia_Wiki-uk


O complexo encontra-se rodeado de um grande chahar bagh (jardim) que inclui canteiros de flores, caminhos elevados, avenidas de árvores, fontes, cursos de água, e pilares que reflectem a imagem dos edifícios na água. Cada secção do jardim é dividida por caminhos em 16 canteiros de flores, com um tanque central de mármore a meio caminho entre a entrada e o mausoléu, que devolve a imagem reflectida do edifício. O chahar bagh foi introduzido na Índia por Babur, o primeiro imperador mogol, segundo um desenho inspirado na tradição persa a fim de representar os jardins do paraíso. 


Foto: wikipedia_Krupasindhu


Está limitado por três lados por um muro em pedra vermelha. Após os muros, existem vários mausoléus secundários, incluindo os das demais viúvas de Shah Jahan e do servente favorito de Mumtaz. Estes edifícios, construídos principalmente com pedra vermelha, são típicos dos edifícios funerários mogóis da época. 


Foto: wikipedia_Srikeit


Do lado interior os muros completam-se com uma colunata coroada por vários arco, característica comum nos templos hindus, incorporada nas mesquitas mogóis. A distâncias fixas incluem-se os chattris e outras pequenas construções que podem ter sido utilizadas como miradouros, incluindo a que actualmente se chama «Casa da Música», utilizada como museu. 


Foto:skyscrapeCity_autor_Hindustani


No extremo do complexo erguem-se dois grandes edifícios laterais ao mausoléu, paralelos aos muros leste e oeste. Ambos são fiéis ao reflexo um do outro. As diferenças consistem em que o jawab não tem minarete e os seus pisos apresentam desenhos geométricos, enquanto os da mesquita estão decorados com um desenho em mármore negro que marca a posição das tapeçarias para a oração de 569 fiéis. 


Foto: wikipedia_David+Castor


O foco visual do Taj Mahal, ainda que não se localize no centro do conjunto, é o mausoléu de mármore branco. Como a maioria dos edifícios funerários mogóis, os elementos básicos são de origem persa. O edifício consiste numa grande superfície dividida em múltiplas salas, das quais a central alberga o cenotáfio de Shah Jahan e Muntaz. A sala central do Taj Mahal apresenta uma decoração que vai para além das técnicas tradicionais, e aparenta com formas mais elevadas da arte manual, como a ourivesaria e a joalharia. Aqui o material usado para as incrustações já não é mármore ou jade, mas sim gemas preciosas e semipreciosas. Cada elemento decorativo do exterior foi redefinido mediante a forma das jóias. 


Foto: wikipedia_Bj Christian

A sala principal contém ainda os cenotáfios de Mumtaz e Shah Jahan, obras-primas de artesanato, sem precedentes na época. A tradição muçulmana proíbe a decoração elaborada das campas, pelo que os corpos de Mumtaz e Shah Jahan descansam numa câmara relativamente simples debaixo da sala principal do Taj Mahal. Estão sepultados segundo um eixo norte-sul, com os rostos inclinados para a direita, em direcção a Meca. 


Foto: www.fanpop.com


O principal material empregado para a construção do Taj Mahal, é o mármore branco trazido em carros puxados por bois, búfalos, elefantes e camelos desde as pedreiras de Makrana, no Rajastão, situadas a mais de 300 km de distância. O segundo material mais utilizado é a pedra arenisca rochosa, empregada na construção da maioria dos palácios e fortes muçulmanos anteriores à era de Shah Jahan. Este material foi utilizado em combinação com o mármore negro, nas muralhas, no acesso principal, na mesquita e no jawab. O jaspe utilizado, foi importado do Punjab, e o cristal e o jade, da China.


Foto: wikipedia_Shenoypreetham


Do Tibete trouxeram-se turquesas e do Afeganistão o lápis-lazúli, enquanto as safiras provinham de Ceilão e os quartzos da Península arábica. No total utilizaram-se 28 tipos de gemas e pedras semipreciosas para fazer as incrustações no mármore.


Foto: www.flowerpictures.net


Taj Mahal é uma obra incrível pela sua arte, riqueza e por ser o simbolo de um amor imenso…..


Foto: wikipedia_Picture+take+by Núria Pueyo


Fontes e Fotos: Wikipedia; www.flowerpictures.net; www.fanpop.com; TrekEarth; skyscrapeCity; outros net

* Fotos: Net
As fotografias sem indicação dos autores é porque não os consegui identificar. Se forem suas, por favor queiram contactar-me que colocarei imediatamente o seu nome, ou retiro-as se for esse o seu desejo. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.

Photographs without the authors’ names are because I could not identify them. If they are yours, please contact me and I will put immediately your name, or remove them, if that is your wish. It is not my intention to break authors rights.


4 comentários:

  1. Uma suntuosa obra de arte! Foi muito bom conhecer mais sobre esta maravilha do mundo! Amei o blog, abração!
    http://ives-minhasideias.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  2. Maria quanta beleza aqui, um monumento magnífico que nos impõe acima de tudo um respeito imenso, uma obra que nos transmite também um certo ar de mistério, quantas coisas estas belas construções não assistiram? Mais uma vez sua postagem está perfeita, beijos Luconi

    ResponderEliminar
  3. Querida amiga
    Venho lhe desejar um bom carnaval.
    Tudo do melhor para voce
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  4. Depois de uma partilha tão rica em informações
    tanto de texto como de imagens,apetece fazer
    as malas e partir
    .
    Maravilhosa essa viagem Maria.
    Vim cumprimenta-la e agradecer teu carinho
    connosco no Refúgio,ficarei feliz com tua presença
    por lá.

    Bom final de sábado e tenha uma nova semana abençoada.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.