quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Fim de semana na região do oeste - Batalha - Alcobaça e Caldas da Rainha




Em setembro fomos passar um fim-de-semana na região do Oeste. A nossa primeira paragem foi na Batalha, para ir visitar o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, também designado Mosteiro da Batalha




O Mosteiro foi considerado Património da Humanidade pela UNESCO desde 1983 e é um dos monumentos mais significativos do gótico em Portugal.




Porta lateral, uma obra do Mestre Afonso Domingues.





A porta de entrada fica na fachada principal foi uma obra do Mestre Afonso Domingues. Por cima dos arcos estão os escudos de armas de D. João I e de D. Filipa de Lencastre. Ao centro estão os quatro evangelistas e Jesus Crist. As arquivoltas têm 78 imagens.




Ao entramos no monumento ficamos logo surpreendidos com a sua imponente Igreja, com mais de 80 metros de comprimento, por 22 metros de largura e 32,5 de altura.






Quando se entra, do lado direito está a Capela do Fundador, foi construída entre 1425 e 1434, por ordem de D. João I, sendo uma obra do mestre Huguet. Ao centro está o túmulo de D. João I e D. Filipa de Lencastre. Na parede de fundo, no lado sul, estão os túmulos, dos filhos destes reis, a “ínclita geração” como lhes chamou Camões.




Claustro Real ou Claustro de D. João I.  É um Claustro quadrangular, em torno de um pátio, com quatro galerias e apenas com um piso. Está coberto por abóbadas de cruzaria e na parte virada para o centro, apresenta grandes contrafortes rematados com gárgulas. Foi começado a par com a igreja, nos últimos anos do século XIV e continuado, a partir de 1402, por Huguet. Os arcos ogivais são do tempo de D. João I, mas no reinado de D. Manuel é introduzido o “retoque final”, procedendo-se ao preenchimento das bandeiras. Desta forma, Mateus Fernandes adornou todo o seu interior com um fino rendilhado manuelino, com motivos vegetalistas, (troncos, ramos, folhas e frutos), cruzes de Cristo e esferas armilares.





Coruchéu da Cegonha e Torre Sineira




No Claustro Real fica um magnifico Lavabo, composto por várias taças sobrepostas, decoradas com carrancas e por onde, ainda hoje, corre água da nascente da Jardoeira. Servia para a higiene dos frades, antes e depois das refeições.




Quando chegámos à Sala do Capítulo, estava a decorrer o render dos soldados ao Túmulo do Soldado Desconhecido. Foi o mestre Huguet finalizou esta sala. Era aqui que se reuniam os frades, presididos pelo abade ou prior, para a leitura do capítulo ou da vida dos santos. Servia para todas as assembleias, em especial quando era preciso decidir qualquer assunto de interesse geral para o convento. Na parede do fundo está uma grande janela preenchida com um vitral que representa a Cenas da Paixão de Cristo e que tem a data de 1514.




Nesta sala está o Monumento aos Soldados Desconhecidos. A alumiá-lo está um lampadário, de ferro forjado, sempre aceso, com uma torcida embebida em azeite, a “Chama da Pátria”. é uma obra do Mestre Lourenço de Almeida, oferecida pela 5ª Divisão Militar de Coimbra, que representa os soldados de todos os tempos. Por cima da campa rasa, a imagem do Cristo das Trincheiras que acompanhou as tropas Portuguesas nos campos de batalha, na Primeira Guerra Mundial. 




Chegamos ao Claustro D. Afonso V. É mais pequeno e mais austero que o Claustro Real. Foi construído na segunda metade do século XV, sob a direção de Martim Vasques e Fernão de Évora, e é um dos primeiros a aparecer em Portugal com dois pisos.




Saímos do interior do monumento e entrámos depois nas Capelas Imperfeitas, ou Panteão de D. Duarte. De forma octogonal, apresenta sete capelas radiantes. Foi uma obra, da responsabilidade de Huguet, que não chegou a ser terminada.




Poderá ver mais informações e fotografias do Mosteiro da Batalha ver o meu post: "Mosteiro da Batalha - Património da Humanidade"




Depois de almoço seguimos em direção a Alcobaça. A primeira visita foi ao Mosteiro de Alcobaça, também conhecido como Real Abadia de Santa Maria de Alcobaça.




Começamos por visitar a Igreja. Aqui se encontram os túmulos de D. Pedro I e D. Inês de Castro.




A sala dos Reis era a Antiga capela-salão construída no séc. XVIII. É assim denominada por nela se exporem esculturas, em terracota policromada, representando os reis de Portugal de D. Afonso Henriques a D. José.



Claustro de D.Dinis ou Claustro do Silêncio, é o centro de toda a abadia, é passagem obrigatória de acesso a todas as dependências e era também, local de leitura e meditação. Foi construído no reinado de D. Dinis, presumivelmente entre 1308 e 1311, foi concebido por Domingo Domingues e Mestre Diogo, sendo um dos mais belos do gótico português.





O Lavabo encontra-se em frente da entrada do refeitório, num pavilhão de cinco cantos.




O Refeitório é um espaço impressionante, harmonioso e belo. Quando se entra do lado esquerdo encontra-se o Púlpito do Leitor, onde um monge se encarregava diariamente da leitura sacra durante as refeições. O acesso a este púlpito faz-se através de uma pequena escada.




A Cozinha tem ao centro uma grande chaminé forrada com azulejos, tal como todas as paredes interiores, ao fundo, um tanque com água corrente proveniente da Levada que se destinava a lavagens diversas.





Claustro da Levada




Para conhecer mais sobre este belo monumento poderá ver um dos meus anteriores posts: "Mosteiro de Alcobaça - Património da Humanidade"




Após terminada a visita ao Mosteiro fomos passear um pouco pela cidade




O Jardim do Amor, um espaço que evoca o amor imortal de Pedro e Inês.




 Subimos ao Castelo para ver a vista




Seguimos depois para o hotel onde íamos dormir, o hotel: "Your Hotel & SPA Alcobaça"




O Interior



O Hotel é excelente e recomendamos.

No domingo seguimos em direção às Caldas da Rainha.




Não tínhamos muito tempo disponível e a nossa opção foi ir visitar o Parque D. Carlos I, foi uma excelente escolha pois o Parque é uma maravilha. 





Saímos do Parque e fomos dar ao Largo Rainha D. Leonor, onde fica o Hospital Termal das Caldas da Rainha.




Logo a lado está no Largo D. Manuel I, um bonito Chafariz, construído no século XVIII.




Passámos pelo túnel lateral ao Hospital e fomos dar ao largo da Igreja Nossa Senhora do Pópulo. Esta igreja foi concluída em 1500 e elevada a Igreja Matriz em 1510.





Por detrás do Hospital Termal e ao lado da Igreja está o Palácio Real.




Passeando um pouquinho pela cidade




Depois de almoço era hora de regressar a casa. Foi um fim-de-semana espetacular.




Fotos: Pessoais

Texto explicativo: Wikipedia; www.patrimoniocultural.pt

5 comentários:

  1. Fico extasiada com a oportunidade de admirar os requintes da arquitetura gótica.
    Os detalhes, entalhes e recortes num trabalho espetacular
    O passeio foi lindo heim? As imagens nos conta da alegria de passear por lugares tão belos
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Uma postagem soberba!

    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Um bonito passeio. Já visitei ambos os mosteiros e gosto imenso. Aop castelo nunca fui. Fica a dica!
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Um belo mergulho na historia Maria.
    Voce capricharam nas informações e nos detalhes das fotos dos monumentos.
    É muito bom viajar com voces com esta arte das fotos.
    Abraços amiga.
    Grato. Bju de paz.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.